Divisão de circuitos elétricos numa instalação

 Muitos são os cuidados que devem ser tomados para se realizar uma instalação elétrica, desde a elaboração do seu projeto até a sua execução, como: consultar as normas referentes às instalações elétricas, elaborar o desenho elétrico e lista de materiais, calcular corretamente os eletrodutos, condutores e componentes, considerar pontos futuros e reservas, escolher corretamente os interruptores e as tomadas e o principal, que é realizar a divisão dos circuitos elétricos na instalação.

 Vou te dar um exemplo simples de como a divisão de circuitos pode facilitar as coisas e proporcionar segurança:

 Imagine que na sua casa não exista quadro de distribuição, o chuveiro elétrico queime a resistência e você só tenha tempo de trocá-la a noite. Para dar manutenção no chuveiro você terá que desligar toda a energia da casa, fazendo com que você tenha que recorrer a outro meio de iluminação do banheiro durante a manutenção no chuveiro. Trabalhoso, não?

 Se a sua instalação possuísse o quadro de distribuição e fosse dividida em circuitos, o chuveiro estaria em um circuito dedicado a ele e a iluminação em outro. O que possibilitaria o seccionamento somente do circuito do chuveiro, mantendo a iluminação em funcionamento, possibilitando você realizar a manutenção do chuveiro sem ter a iluminação prejudicada. Viu a diferença? Mas não para por aqui…

Principais motivos para divisão de circuitos elétricos numa instalação

 Uma instalação deve ser dividida em vários circuitos, a fim de:

  • Limitar as consequências no caso de um defeito (curto-circuito ou sobrecarga), já que dispositivo de proteção do circuito irá atuar e desligar somente o circuito defeituoso, sem afetar os demais;
  • Facilitar qualquer tipo de inspeção, teste e até mesmo manutenções, sendo mais fácil encontrar pontos de defeitos que possam surgir;
  • Evitar os perigos que possam resultar da falha de um circuito único (por exemplo, no caso de iluminação).

Como é feita a divisão de circuitos elétricos numa instalação?

 A instalação elétrica seja de uma residência ou apartamento, pode apresentar certa complexidade, dependendo de seu porte, mas seus elementos essenciais, independente do porte ou complexidade, são mesmo os circuitos terminais e o quadro de distribuição.

Os circuitos terminais podem ser divididos em três partes:

  • Circuitos de iluminação;
  • Circuitos de tomadas; e
  • Circuitos dedicados.

porque devo separar a instalação em circuitos - Divisão de circuitos elétricos numa instalação

Vejamos as regras aplicáveis a cada um deles, segundo recomendações da ABNT NBR 5410:

Circuitos de iluminação

 Em cada cômodo ou dependência deve ser previsto pelo menos um ponto de luz no teto, alimentado por um circuito de iluminação e comandado por interruptor. Esse ponto de luz no teto pode ser complementado por um ou mais pontos de luz na parede ou até mesmo substituído por somente ponto na parede, em casos bem específicos como: espaços sob escada, depósitos, despensas, lavabos e varandas, desde que de pequenas dimensões e onde a colocação de ponto no teto seja de difícil execução ou não conveniente.

 A seção mínima dos condutores de um circuito de iluminação é de 1,5 mm² como determina a NBR 5410. Eventualmente, a seção poderá ser maior, dependendo do dimensionamento imposto pelo projeto de iluminação.

Circuitos de tomadas

 Em relação aos circuitos de tomadas, não podemos esquecer que: o uso da tomada de corrente, como meio de conexão não é exclusivo do circuito de tomadas. Em um circuito dedicado, dependendo do equipamento de utilização a ser alimentado, a conexão será por ligação direta aos condutores do circuito ou através de tomada de corrente.

 O que é determinante na qualificação e, portanto na designação de um circuito como sendo “de tomadas” é justamente o plural “tomadas”. Pois é este o aspecto que caracteriza: a alimentação de diversos pontos de utilização equipados com tomadas de corrente, distribuídos, que no passado eram designados “circuito de tomadas de uso geral”.

 A seção mínima dos condutores de um circuito de tomadas é de 2,5 mm² como determina a NBR 5410. Eventualmente, a seção poderá ser maior, dependendo do dimensionamento imposto pelo projeto de tomadas.

Circuitos dedicados

 É comum associarmos “circuito dedicado” somente a equipamentos de maior potência. Mas não podemos esquecer que às vezes o circuito dedicado se faz necessário, por exemplo, para preservar a continuidade de alimentação de determinado equipamento ou carga, independentemente de sua potência, servindo para isolá-la das perturbações provocadas ou sofridas pelas outras cargas com as quais ela compartilharia o mesmo circuito, caso não lhe fosse reservado um circuito independente.

 Ou vice-versa, isto é, o circuito dedicado pode ser previsto também para reunir as utilizações mais perturbadoras ou mais sujeitas a perturbações, confinando-as e evitando-se assim que seu desligamento, presumivelmente mais provável, afete outras cargas.

 A seção mínima dos condutores de um circuito dedicado deve ser compatível com a carga que irá alimentar, segundo determina a NBR 5410. Lembrando que todo ponto de utilização previsto para alimentar equipamento com corrente nominal superior a 10 A  deve constituir um circuito independente.

Quadro de distribuição

 Após definição da quantidade de circuitos que a instalação será dividida, o próximo passo é definir como será o quadro de distribuição. É dele que sairão todos os pontos de alimentação dos circuitos e onde ficarão armazenados os dispositivos de manobra e proteção, como disjuntores e dispositivos protetores de surtos.

 É recomendável prever espaço reserva no quadro de distribuição para possíveis ampliações futuras ou tomando como referência a quantidade de circuitos instalados no quadro.

 Além disso, os quadros de distribuição devem ser instalados em locais de fácil acesso e em região segura, evitando sempre locais que tenham a possibilidade de permanecerem trancados. De preferência os quadros de distribuição devem ser instalados no ponto central das cargas às quais atende, reduzindo dessa forma o comprimento dos condutores de maior seção e obtendo uma razoável economia.

Gostou? Compartilhe!
Updated: 19 de junho de 2019 — 23:57